apostas bet365

apostas bet365 – kcee30.com Atualizado diariamente com notícias brasileiras, notícias esportivas, informações sobre cassinos, jogos de azar e dicas para ganhar dinheiro

apostas

“Esparguetada indigesta”: Boicotes contra empresas funcionam?

PUBLICIDADE

da tv bet: Um dos fabricantes de massas mais populares de Itália, a Rummo, que exporta os seus produtos para mais de 60 países em todo o mundo, tornou-se recentemente alvo de uma campanha de boicote nas redes sociais.

da luck: O vice-primeiro-ministro de Itália e líder da Liga de direita, Matteo Salvini, visitou a fábrica de massas na passada sexta-feira e partilhou um vídeo do local nas suas contas nas redes sociais.

Salvini disse: “O cheiro não chega até nós, no entanto, perante aqueles que defendem a farinha de insetos, vermes, grilos e gafanhotos; para aqueles que em Bruxelas se opõem à dieta mediterrânica. Viva a nossa massa”.

Desde então, iniciou-se na Internet uma campanha de boicote contra a Rummo, com o hashtag “#boicottaRummo” (#boicoteRummo).

Alguns criticam o fabricante de massas por alegadamente usar Salvini para afetar negativamente a sua marca, enquanto outros acusam o primeiro-ministro de favorecer consistentemente o Norte de Itália com políticas, destacando inconsistências nos seus elogios à marca de massas sediada em Nápoles.

Os meios de comunicação social também noticiaram amplamente a campanha, com títulos como “Uma ‘esparguetada’ que se revela indigesta”.

Em resposta à campanha de boicote, o proprietário da Rummo, Cosimo Rummo, disse à agência noticiosa italiana ANSA: “As pessoas vão continuar a comprar a nossa massa. Não estou habituado a pedir um cartão de membro do partido às pessoas que vêm aqui”.

Boicotes às marcas nas redes sociais funcionam mesmo?

As campanhas de boicote contra as empresas não são uma novidade. Recentemente, a Euronews Business noticiou que o diretor executivo da McDonald’s, Chris Kempczinski, acusou as campanhas de boicote de causarem perdas comerciais regionais no Médio Oriente devido a alegações de apoio da empresa a Israel.

As ações coletivas (cada vez mais conduzidas nas redes sociais) destinadas a diminuir a reputação de uma empresa ou de um produto, por uma razão ou outra, estão a ganhar popularidade. No entanto, até que ponto as consequências podem ser eficazes para uma marca?

De acordo com Americus Reed, professor júnior de marketing na Wharton School of Business da Universidade da Pensilvânia, isso depende do que se pretende com a definição de “trabalho”.

Num artigo para o The New York Times, Reed escreve: “Se o objetivo é prejudicar as vendas da empresa, os boicotes raramente são bem sucedidos. Mas se o objetivo for prejudicar as empresas que se opõem a um movimento, há uma maior probabilidade de um boicote manchar uma marca.

“A indignação vai e vem, assim como os boicotes. As empresas podem sofrer pequenas quedas nas vendas, mas os boicotes nos meios de comunicação social raramente prejudicam os resultados económicos das organizações a longo prazo”, acrescentou.

No caso da Rummo, muitas figuras públicas e políticos italianos manifestaram o seu apoio à marca de massas alimentícias, sublinhando que, com um volume de negócios em 2022 superior a 170 milhões de euros, dá emprego a mais de 160 trabalhadores.